quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Foi assim que tudo começou!

A idéia desse blog surgiu para além de falar de gastronomia, divulgar meu trabalho em particular. E nada melhor do que começar contando um pouquinho da minha louca história no mundo gastronômico e de como surgiu essa idéia do Fusion à Manger.
Eu digo história louca, porque a pessoa depois de encarar cinco anos de universidade de farmácia, um ano de especialização, quase sete de formada, com a vida estável, tudo aparentemente certinho e de repente descobrir que na verdade não estava indo no caminho certo, rendeu no mínimo muitos comentários do tipo, “você é louca!!!”. Loucura ou não, foi assim que decidi começar de novo...
 Essa aventura no mundo da gastronomia começou ainda no Rio de Janeiro, em princípios de 2007, quando depois de conhecer a então chef do Azulino, Lúcia De Carli, tomei gosto pela culinária e fui aos poucos descobrindo que tinha talento.
As coisas foram acontecendo sem muita pretensão, mas como já dizia Caetano Veloso em sua música: “tudo era apenas uma brincadeira e foi crescendo, crescendo, me absorvendo...”.
É bem verdade que a gastronomia era algo que já corria em minhas veias, pois minha avó era uma cozinheira de mão cheia, assim como minha mãe, mas na verdade eu nunca havia tomado gosto pela coisa. E isso deixa tudo mais louco ainda, pois eu já tinha a faca e o queijo na mão e nunca havia percebido.
 Resolvi levar a coisa a sério e começar uma nova carreira profissional. Mudei de laboratório, agora minhas experiências iam ser na cozinha e para isso o primeiro passo foi buscar um curso de cozinheiro. E para reforçar esse aprendizado, nada melhor do que praticar. Ofereci-me para trabalhar de auxiliar com essa amiga Chef, afinal ela já tinha muita experiência e enxerguei uma ótima oportunidade de aprender com quem realmente sabia.
 Nessa época eu já me sentia tão envolvida com a gastronomia que depois de alguns cursos pela capital carioca, decidi que era hora de partir para a Europa, onde sabia que iria realmente consolidar meu aprendizado. Mas antes disso, uma parada estratégica em Natal, para matar a saudade da família e fazer mais um curso, o de cozinheiro profissional.
Em dezembro de 2008 embarquei para Sevilla, na Espanha, onde fiz o Curso de Gastronomia e Cultura Espanhola, na ESHS (Escola Superior de Hostelaria de Sevilla) e de lá segui para realizar as práticas profissionais na capital espanhola. Em Madrid trabalhei no restaurante Café de Oriente, do grupo Lezama, com o chef Roberto Moral. Na cozinha do café pude desfrutar de um aprendizado fantástico e refinar ainda mais minhas técnicas de cozinha. A correria era grande, ainda mais nos meses de verão e como fruto de minha dedicação e empenho, após terminar minhas práticas de seis meses, fui convidada pelo chef para seguir por mais um ano.
Depois de quase dois anos de Espanha me especializando em gastronomia espanhola e ganhando experiência, voltei a Natal cheia de novas idéias. E como acontece na maioria das áreas de trabalho, a gente acaba se especializando ou simplesmente gostando mais de uma coisa do que de outra. Comigo não foi diferente, me apaixonei pela tal tendência “fusion cuisine”, pois nela enxerguei a oportunidade de ser livre para criar e recriar.
Eu queria oferecer algo diferenciado e que, de certa forma, ainda fosse novo por esses lados, então pensei que nada melhor do que montar um serviço de Personal Chef, onde eu teria total liberdade para mostrar meu trabalho.
A proposta é transformar a cozinha de casa num restaurante particular, executando os pratos ao momento e servindo a francesa, dando total destaque ao sabor e ao visual.
E foi juntando todos esses conceitos e idéias que surgiu o Fusion à Manger, uma mistura para comer, mesclando sabores de diversas tendências culinárias, com produtos típicos do nordeste e minhas influências espanholas. O resultado dessa mistura são pratos super saborosos e sedutores ao paladar e olhos de qualquer gourmet dos mais exigentes.

  
 

3 comentários:

  1. Apesar de todas as postagens estarem muito ricas, resolvi comentar a primeira, pois é no princípio que tudo se define, ganha forma. Qualquer que seja o desafio, nunca é demais contar com o positivismo do começo. Espero francamente que não só o seu trabalho seja reconhecido, como também que o seu Blog, que não deixa de ser um companheiro, guarde a expressão das suas melhores idéias. Digo com experiência de quem já sentiu o dedo na ferida, que desde que fiz o meu, dificilmente fico angustiado, já que ele quem melhor me ouve. Você conhece essa frase cinematográfica, "Não há lugar como a nossa casa"? Pois é... que aqui também seja o seu refúgio. Abraços e tudo de melhor, luz no seu caminho.

    ResponderExcluir